counter easy hit

Psy-Fi: uma ficção científica na terra da psicodelia

psy-fi festival

Shoot Your Shot Photography

E se nada – nós, o mundo, o universo – fosse real?

Para muitos, uma pergunta sem resposta. Para o Psy-Fi, Festival Holandês de Música e Cultura Psicodélica inspirado na Ficção Científica – em inglês Sci-Fi -, o desafio de manter seus visitantes em um universo imaginativo repleto de tecnologia, viagem no tempo e realidades paralelas.

psy-fi festival

Shoot Your Shot Photography

O esforço tem recebido muitos méritos desde a sua primeira edição, em 2014, quando surpreendeu os adeptos à cena deixando um gostinho de “quero mais”. A segunda edição, realizada no ano passado, teve público recorde surpreendendo até mesmo os organizadores.

Escolhi o cenário para viver minha segunda experiência psicodélica internacional. A primeira se deu no Ozora e por isso eu sabia que pelo menos duas diferenças separariam essas vivências: idade e tamanho. O Psy-Fi é um festival muito novo e pequeno se comparado ao primeiro, são três edições e aproximadamente 17 mil participantes, contra 12 edições e 60 mil visitantes*. Ainda assim, o evento representa o retorno da cena na Holanda, onde as festas do gênero foram proibidas por muitos anos, e por isso a grande expectativa.

No país dos psicodélicos, uma tempestade antecedeu nossa chegada ao camping urbano de Leeuwarden e minha primeira impressão foi de que havíamos saído do “Deserto dos Piratas” (como chamei carinhosamente o Ozora na última edição da SKOT) para chegar a uma “Ilha Fantasma” úmida, cinza e caótica.

psy-fi festival

Shoot Your Shot Photography

Logo notamos que os atrasos na montagem eram resultado do trabalho extra trazido pelo temporal, mas a cena tocou com tristeza minhas expectativas. Como uma máquina que nos transporta no tempo e espaço, porém, o sol nasceu por entre a dança das músicas ao som da melodia na manhã do dia seguinte.
Seguimos com o objetivo de encontrar o melhor lugar para expor nossa arte – ali não é preciso pagar taxas -, mas o brilho do sol transformara aquele úmido cenário num lindo arco íris, impossível de se ignorar.

Psy-Fi: uma ficção científica na terra da psicodelia

Com a ajuda de uma cenografia de altíssima qualidade, adentramos em um cenário misterioso, louco para que fosse explorado e descoberto. Passamos por lagos recobertos por musgos fluorescentes, cipós surreais e macias superfícies até sermos transportados da floresta encantada para a praia, que agora era puro oceano (ou a alma dele).

psy-fi festival

Shoot Your Shot Photography

A festa ficou ainda mais vibrante quando nos demos conta de que já éramos parte daquela alma psicodélica de cores vibrantes num estilo hippie norte-americano dos anos 70.

Num clima de paz e amor divertido, acolhedor e alegre, o pôr-do-sol abençoou nosso primeiro dia nessa ficção científica. Sob a vista privilegiada do mirante, presenciei o ato de altruísmo mais lindo da minha vida: enquanto me aconchegava para ver o dia dormir senti uma lágrima rolar ao ter minha atenção presa a um jovem robusto que carregava, alimentava, esquentava e conversava com um amigo cuja vida deu grandes limitações.

psy-fi festival

Shoot Your Shot Photography

Com um line elogiado por todos e cenografia indiscutível, a estrutura deixou a desejar em alguns momentos – os banheiros químicos sujos e em pouca quantidade causaram alvoroço nas redes sociais, mas também deixaram muito clara a preocupação da organização ao providenciar novos banheiros para o dia seguinte, por exemplo.

Nada que um jovem evento não tivesse que viver para avançar e se eternizar, eu diria. Aliás, uma coragem que tem proposto, inclusive, um novo formato de festival devido às limitações do local, na proximidade de vilarejos, que exige 8h de silencio ininterruptas durante a noite. Desde o ano passado, os palcos encerram suas atividades no começo da madrugada, retornando com força total na manhã seguinte e abusando dos benefícios de uma noite bem descansada.

psy-fi Festival

Shoot Your Shot Photography

Foi uma nova tempestade que nos trouxe de volta à realidade, três dias mais tarde, com o irrespondível na ponta da língua: e se nada fosse real?
Então, tudo seria o inesquecível Psy-Fi.

* Número de participantes referente à edição 2015.

Você também pode gostar ...

2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *